Esquizofrenia em idosos – Tudo o que você precisa saber

Índice

A esquizofrenia é uma doença psicopatológica em que o pensamento é interrompido e as reações emocionais são perturbadas. Esquizofrenia em idosos se manifesta em pacientes na forma de alucinações e delírios fantásticos. Possui uma série de sintomas que tornam a doença difícil de diagnosticar.

A alma, como o corpo, está sujeita a mudanças. Essas mudanças são especialmente perceptíveis na velhice.

Os transtornos mentais que surgem nessa idade representam, em grande parte, a reação da psique humana às mudanças fisiológicas no corpo e no ambiente.

A esquizofrenia em idosos é mais perigosa do que em jovens devido a uma história de doenças somáticas e crônicas. Segundo cientistas, ocupa o terceiro lugar no mundo entre as doenças que levam à deficiência.

Um transtorno psicopatológico aparece devido a mudanças fisiológicas na aparência e no corpo de uma pessoa.

Comunidade da Fepo

Sintomas de esquizofrenia em idosos

Esquizofrenia em idosos

Como reconhecer os primeiros sintomas da esquizofrenia em idosos, para buscar ajuda médica a tempo e iniciar o tratamento oportuno.

Os seguintes fatores devem ser considerados:

  • Delírio;
  • Alucinações;
  • Confusão de fala, que é um distúrbio do pensamento formal;
  • Comportamento impróprio (risos sem motivo, lágrimas, roupas inadequadas);
  • Afeto (ausência completa ou embotamento das reações);
  • Alogia (falta ou falta de fala);
  • Disfunção social (contatos interpessoais e autocuidado são minimizados).

Se todos os sintomas acima estiverem presentes por mais de um mês, a esquizofrenia será diagnosticada.

Terapia online para sua saúde e bem-estar

Tipos de esquizofrenia

  • Esquizofrenia hebraica

É caracterizado pela presença de infantilidade e tolice no comportamento. Pessoas doentes são tímidas, preferem a solidão.

A doença é caracterizada pelos seguintes sintomas:

  • capricho;
  • loucura;
  • infantilidade;
  • fazendo careta;
  • alucinações;
  • delírio;
  • mudanças repentinas de humor;
  • comportamento agressivo.

Difere do infantilismo pela irracionalidade das ações, comportamento indecente, brutalidade. Os pacientes deixam completamente de se interessar pelo que antes os atraía, não conseguem nem realizar um trabalho simples.

A doença é diagnosticada após a observação desses sinais por pelo menos 2-3 meses. O prognóstico é desfavorável, com o tempo, a deterioração da personalidade se desenvolve.

  • Paranoico

O principal quadro clínico é o delírio.

Chat de Apoio Emocional

Para os idosos, isso é delírio de perseguição, tentativa de homicídio, roubo, violação dos direitos dos vizinhos e assim por diante. As alucinações, tanto auditivas quanto visuais, são muito comuns.

A principal manifestação do delírio em esquizofrenia em idosos é a afirmação da atitude negativa das pessoas ao seu redor, ou seja, o fato de que todas as pessoas ao seu redor passaram a tratá-los mal, querem tirar o apartamento, envenenar, roubar.

A esquizofrenia paranoide é a forma mais comum da doença entre os idosos

Essas declarações devem alertar os entes queridos, uma vez que a pessoa não apenas sofre, mas também representa um sério perigo para as pessoas ao seu redor.

O prognóstico da doença é desfavorável, com estágios avançados da doença ocorre degradação da personalidade.

  • Catatônico

Uma combinação de distúrbios mentais e músculo-motores, enquanto as fases de estupor e excitação se alternam. Com o início do estupor catatônico, o paciente fica por um longo tempo numa determinada posição.

Programa de Atendimento Social

Falta de fala e reação a estímulos externos, delírio, alucinações. Nesse estado, o paciente pode durar de várias horas a vários dias. Uma característica desta forma é o negativismo.

Uma pessoa ignora qualquer pedido estranho, faz o contrário, recusa comida. A doença se manifesta periodicamente, intervalos de luz são possíveis entre os ataques.

  • Residual

Forma crônica prolongada da doença, na qual não há sinais óbvios de doença esquizofrênica aguda, mas desvios no comportamento das normas aceitas de comportamento indicam a presença da doença.

Os pacientes apresentam os seguintes sintomas:

  • diminuição da atividade;
  • atividade emocional;

A fala é inexpressiva e escassa, as habilidades de autosserviço são perdidas, o interesse pela vida de casado, a comunicação com os entes queridos, a indiferença para com os filhos e parentes aparece.

Com um longo curso da doença, os pacientes não podem mais viver sem ajuda externa, portanto, comissões especiais estabelecem um grupo de deficientes para eles.

  • Simples ou clássico

É caracterizada por excentricidades imperceptíveis, mas progressivas, e mudanças no comportamento do paciente.

Essa forma de esquizofrenia em idosos é caracterizada por sintomas de doenças esquizofrênicas, como isolamento, concentração em si mesmo e na estrutura do corpo e falta de emoções.

O doente fica indiferente ao seu destino. Ele entra completamente em si mesmo, ele tem ideias malucas. A doença evolui de forma lenta e imperceptível, o que retarda o momento de ir ao médico e piora o prognóstico.

Tratamento para esquizofrenia em idosos

O tratamento de todas as formas de esquizofrenia em idosos é principalmente sintomático e social. Os antipsicóticos são amplamente usados ​​em combinação com outras drogas.

O tratamento médico é realizado em simultâneo com a prestação de apoio psicológico e social ao paciente.

Na fase aguda da doença, o paciente deve ser internado em um hospital. Os métodos de tratamento e as doses dos medicamentos são selecionados pelo médico assistente individualmente para cada paciente, com base nos sintomas dos transtornos mentais.

Deve-se levar em consideração que as doses dos medicamentos prescritos para idosos, devem ser reduzidas em relação aos pacientes mais jovens. Isso se deve às alterações fisiológicas do organismo do idoso.

Psicoterapia

O tratamento da esquizofrenia em idosos é impossível sem psicoterapia. No primeiro estágio, o tratamento ocorre individualmente e, em seguida, é realizada a terapia de grupo e familiar.

O método da psicoterapia permite ao paciente compreender sua doença, entender o que sente e faz. Vários treinamentos, conversas em grupo ajudam o paciente a melhorar o relacionamento com outras pessoas.

Conclusão

A medicina moderna, infelizmente, não pode curar completamente uma doença como a esquizofrenia em idosos. Mas, se você estiver atento aos seus pais idosos, poderá notar os primeiros sinais de alerta.

Pode ser perturbação do sono, mau humor, irritabilidade, medos infundados, mudanças repentinas de humor, alienação, isolamento, suspeita.

O tratamento adequado, iniciado na hora certa, ajudará a reduzir a frequência de recaídas e hospitalizações e ajudará a reduzir a taxa de destruição da vida humana e das relações familiares.

Felipe Laccelva

Felipe Laccelva

Psicólogo formado há mais de dez anos, fundador e CEO da Fepo. Fascinado pela Abordagem Centrada na Pessoa, que tem a empatia como eixo central para transformar o ser humano. Sempre buscou levar a psicologia para mais pessoas e dessa forma criar um mundo mais saudável e acolhedor.

Agendar consulta