Gastrite Nervosa

Índice

A gastrite nervosa é uma variação da gastrite. Sendo assim, trata-se de uma condição física ligada a fatores emocionais, sendo possível alcançar a cura se o tratamento ocorrer de forma correta e eficaz.

Neste cenário, é importante destacar que essa condição afeta o revestimento do estômago, causando um processo inflamatório. Além disso, trata-se de uma situação que pode ocorrer por períodos curtos, como dias, ou ser crônica. Durante semanas ou meses.

gastrite nervosa

Por ter esse aspecto físico e emocional, a gastrite causa uma série de alterações na rotina, provocando um sofrimento psíquico. Ao mesmo tempo, o tratamento só é eficaz quando o processo envolve atendimentos clínicos voltados para a saúde mental.

O que é gastrite nervosa?

A princípio, vamos entender exatamente o que é a gastrite.

Em resumo, é uma inflamação que acontece no revestimento dos tecidos estomacais, chamados de mucosas. Quando surge de repente é chamada de aguda. Mas também pode ser crônica, quando ocorre por períodos mais longos sem o devido tratamento.

Comunidade da Fepo

Assim, provoca uma série de sintomas típicos. Com destaque para a dor a sensação de azia, fora uma queimação forte, que parece nunca passar.

No caso da gastrite nervosa, não há inflamação nas mucosas. Justamente por isso, o nome de nervosa: por causar os sintomas, ter relação com o emocional, mas não a prevalência da causa física característica.

Os casos mais clássicos incluem um inchaço na região do abdômen e uma sensação de que está sempre “cheio” e que “aquilo não caiu bem”.

Esse tipo de gastrite também é chamado de dispepsia funcional. Sendo importante lembrar que a cura.

Terapia online para sua saúde e bem-estar

Neste cenário, o termo “nervosa” se refere a principal causa dessa gastrite, que seria relacionado a ansiedade, estresse e mais fatores.

É importante dizer que, mesmo com esse fator, a gastrite é considerada como uma condição física.

Como diferenciar gastrite nervosa e não nervosa?

Por ter sintomas semelhantes, muitos pacientes têm dúvidas quanto ao que fazer e qual tratamento seguir. Sendo um dos empecilhos que podem tornar o quadro crônico.

Em outras palavras, muitos indivíduos que têm a gastrite nervosa segue um tratamento tradicional, de um quadro de inflamação. Quando isso acontece, a causa da questão não é tratada. Logo, o resultado não é efetivo e muitos não notam melhora ou apenas uma sutil variação nos sintomas.

Chat de Apoio Emocional

Ao mesmo tempo, é importante destacar que emoções positivas e negativas são naturais. Da mesma maneira que não dá para se prevenir de todos os obstáculos. Tudo isso é natural e vai acontecer, cabendo a você descobrir formas de lidar com as situações, consequências e sentimentos.

Geralmente, isso tudo fica mais evidente quando envolve o processo de luto.

Isso quer dizer que o fator pode ou não ser evidente, cabendo ao profissional de saúde solicitar exames e análises.

Os principais exames para conferir a mucosa, para avaliar se há inflamação, é a endoscopia digestiva. Com ele, é possível verificar o quadro interno e então seguir com o melhor tratamento.

Quais são os sintomas de uma gastrite nervosa?

Conhecer os sintomas da gastrite nervosa pode ser a melhor maneira de entender o que exatamente está acontecendo com a sua saúde.

A partir disso, é importante que você não observe apenas situações e sensações isoladas, mas avalie como se sente de maneira geral, mantendo a sua rotina.

Por exemplo, é quase natural sentir queimação e azia após consumir um excesso de alimentos gordurosos. Como lanches, pizzas ou outros. Geralmente, esses alimentos são acompanhados de refrigerantes, o que causam o inchaço abdominal, gases e outros desconfortos.

Então, os sintomas que você deve notar incluem:

  •         Dores estomacais, principalmente em forma de pontadas;
  •         Azia;
  •         Sensação de que o estômago está cheio;
  •         Enjoos e vômitos sem justificativa;
  •         Inchaço abdominal;
  •         Dores na região da barriga;
  •         Aumento nos arrotos;
  •         Excesso de gases;
  •         Alterações no apetite, geralmente perda de fome;
  •         Dores de cabeça;
  •         Problemas para evacuar;
  •         Sensação de mal-estar em geral;
  •         Problemas na digestão.

A maioria dos pacientes relata alguns outros sintomas. Como baixa concentração e energia, sensação de sonolência, alterações no quadro do sono, etc. Isso acontece pela má digestão e demais sintomas.

Por exemplo, ao sentir desconfortos estomacais e parar de se alimentar bem, isso pode reduzir a glicose no sangue, bem como a ingestão de vitaminas. Com isso, pode apresentar um rebaixamento nos níveis de concentração, aumento de estresse e mais.

O que causa gastrite nervosa?

A gastrite inflamatória costuma ter duas causas: a presença de uma bactéria que consegue passar pela parede estomacal. Sendo transmitida por água/alimentos contaminados ou de pessoa para pessoa. Ou pelo consumo excessivo de substâncias. Como álcool, drogas, esteroides e remédios.

Já a gastrite nervosa tem causas emocionais.

Isso significa que além de não haver a inflamação, o desenvolvimento dos sintomas é decorrente de emoções e sentimentos. Na maioria das vezes, os principais causadores são o estresse, nervosismo, crises ansiosas, pressão social/pessoal ou outras doenças de cunho mental.

Prevenção e tratamento

A prevenção da gastrite nervosa se dá antes que o quadro seja estabelecido. Mas, como se trata de uma questão emocional, é preciso considerar alguns pilares principais. Como:

  •         Alimentação;
  •         Atividade física;
  •         Controle emocional.

Inclusive, também são esses os pilares para o tratamento da gastrite, seja inflamatória ou nervosa, já que auxiliam a tratar as sensações físicas.

Alimentação

gastrite nervosa

A alimentação de um paciente com gastrite deve ser saudável e balanceada, evitando alimentos que provocam os sintomas característicos do quadro. Como enjoos, náuseas e mais.

Logo, o primeiro passo é cuidar desse aspecto, escolhendo boas opções para o seu cardápio. Como frutas, oleaginosas, vegetais e alimentos ricos em proteínas.

Por outro lado, é essencial evitar alimentos ricos em gorduras e açúcares, como processados, frituras e alimentos congelados. Também é indicado evitar o consumo de bebidas gaseificadas, como refrigerantes.

A alimentação também envolve mastigar bem os alimentos antes de engolir, comer com calma e evitar períodos de jejum. A recomendação é seguir uma rotina, comendo a cada três horas, em média.

Atividade física

A atividade física consegue trazer mais equilíbrio para a mente e corpo. Por um lado, fortalece os músculos e evita problemas decorrentes do sedentarismo. Por outro, controla os picos hormonais, de estresse e ansiedade.

Com isso, ajuda a evitar as crises que podem causar a gastrite ou agravar o quadro.

A longo prazo, as atividades também proporcionam prazer e estabilidade, alívio e reduz o uso de medicamentos, que também são prejudiciais para o estômago.

Controle emocional

O terceiro pilar de tratamento e prevenção da gastrite é o controle emocional.

Porém, não se trata apenas de mudar alguns hábitos ou mesmo de testar pratos diferentes. É preciso entender o que tem exatamente elevado os níveis emocionais ao ponto de gerar esses sintomas.

Em seguida, é preciso descobrir formas de controlar esses aspectos, para ter uma vida mais tranquila.

Logo, é importante iniciar um processo terapêutico, entendendo as causas e descobrindo meios saudáveis de seguir com um tratamento eficaz.

De qualquer maneira, é importante destacar que a gastrite nervosa tem cura. Mas o tratamento deve ser seguido cuidadosamente, a longo prazo.

Sabemos que manter o controle emocional não é nada fácil. Existem diversas questões que influenciam no humor, nas emoções, percepções e em outros aspectos. Por isso, temos uma equipe de profissionais altamente qualificados que podem te ajudar em todas as suas questões.

gastrite nervosa

O que é bom para gastrite nervosa?

Se você tem dúvidas sobre o quadro e não sabe exatamente o que fazer para otimizar o tratamento e garantir uma melhora nas sensações, é importante entender o que é bom para a gastrite nervosa.

Assim, algumas frutas são mais benéficas que outras. Como a maçã, goiaba, banana e laranja-lima. Além disso, o ideal é escolher carnes brancas, como peixes e frango.

Outros alimentos que auxiliam na digestão incluem o suco verde, gengibre, cereais, leite desnatado, iogurtes, azeite e frutas vermelhas.

Também é indicado começar a praticar exercícios capazes de provocar relaxamento mental e estimular a respiração. Como pilates, meditação e yoga. Mas você também pode optar por outras atividades, contanto que sejam relaxantes.

A medicina alternativa também está repleta de vantagens, principalmente para reduzir o estresse. Dentre elas, podemos citar a acupuntura e a auriculoterapia.

Mas o essencial é livrar-se dos vícios que prejudicam o funcionamento estomacal. Como o tabaco, álcool, refrigerantes, etc. Da mesma maneira, não tome medicamentos sem recomendação médica, mesmo aqueles de uso livre, comprados sem receita nas farmácias.

Alguns chás também podem auxiliar na digestão, como o de camomila, hortelã, erva-doce e melissa. Porém, é interessante consumir após as refeições, nunca de estômago vazio.

Mas, se surgirem dúvidas ou outros sintomas, converse com o seu médico e suspenda o consumo dos chás.

Gastrite Nervosa: principais dúvidas

O leite piora o quadro?

O leite muitas vezes é visto como vilão da alimentação. Ainda que tenha minerais e vitaminas essenciais.

Inclusive, o leite pode auxiliar a reduzir os sintomas do quadro, principalmente a azia e o desconforto abdominal. Porém, nos casos de inflamação na mucosa, é preciso ter cuidado.

No geral, a recomendação é nunca consumir o leite logo ao acordar e optar por depois de alguma rejeição.

Chiclete piora a gastrite?

A gastrite nervosa não é impactada diretamente pelo chiclete. Salvo quando o consumo da goma é decorrente de estresse e ansiedade. Nesses casos há uma correlação dos fatos.

Entretanto, a gastrite inflamatória pode ser agravada pelo chiclete.

Isso acontece porque o ato de mascar envia uma mensagem para o cérebro de que ele deveria produzir suco gástrico. Porém, como o alimento não chega para ser digerido, as mucosas são afetadas. O mesmo vale para as balas.

Tenho gastrite nervosa, posso tomar alimentos/bebidas com cafeína?

A cafeína é um dos estimulantes mais conhecidos e consumidos na rotina. Presente no café, refrigerantes e mais.

Porém, pode incentivar a produção de um ácido no estômago, elevando os sintomas, principalmente a azia.

Justamente por isso, não é recomendada para consumo.

Gastrite pode causar câncer?

A gastrite inflamatória tem como causa principal, também usado para diagnóstico, a inflamação da parede do estômago.

Como resultado, o não tratamento pode agravar o quadro, levando ao desenvolvimento de um câncer. Claro que isso pode demorar anos para ocorrer, entretanto, é uma possibilidade.

Justamente por isso, é tão importante perceber os sintomas e procurar suporte médico.

O jejum piora o quadro de gastrite nervosa?

O jejum não é um tratamento. Essa é a primeira informação que você deve considerar.

Principalmente aliado aos transtornos alimentares, depressão e ansiedade, o jejum pode surgir como uma “solução milagrosa”. Entretanto, acaba agravando o problema sem que você consiga perceber isso rapidamente.

Dessa forma, o jejum é capaz de elevar os níveis de estresse, causar desconfortos abdominais por fome, alterar a produção do suco gástrico (essencial para a digestão), causar ansiedade ou mesmo provocar alterações na forma de se alimentar.

Não é incomum que aqueles que passam horas sem se alimentar, acabam comendo qualquer coisa que encontrarem, o que inclui salgadinhos e outros industrializados, fast food e comidas congeladas. Assim, prejudica o pilar de tratamento.

Portanto, o jejum piora o quadro e não deve ser praticado.

A gastrite é hereditária

Um dos principais mitos sobre a gastrite é que ela é hereditária. Acontece que, muitas famílias vivem sob um grande pico de estresse e, como resultados, vários membros podem desencadear a doença.

Assim, a gastrite não é passada de geração em geração. Nem nos quadros inflamatórios, nem no quadro nervoso.

A gastrite pode causar uma úlcera?

A gastrite pode causar uma úlcera nos quadros inflamatórios.

Isso acontece porque esse quadro faz com que as paredes estomacais fiquem cada vez mais frágeis. Com isso, pode chegar a uma erosão, ou seja, ao desenvolvimento de uma úlcera.

Na maioria das vezes, os pacientes que apresentam essa complicação são aqueles que não seguiram com o tratamento ou abusam de substâncias nocivas. Como álcool, drogas, remédios e mais.

Vale destacar que isso significa que é preciso ter atenção ao quadro e seguir com todo o tratamento. Incluindo as medicações receitadas pelo médico.

Em todo caso, sempre converse com aqueles que acompanham o seu caso, converse com o seu psicólogo e foque em ter uma vida mais tranquila, saudável e equilibrada. Aqui na Fepo, esperamos que você tenha o controle que está buscando.

Felipe Laccelva

Felipe Laccelva

Psicólogo formado há mais de dez anos, fundador e CEO da Fepo. Fascinado pela Abordagem Centrada na Pessoa, que tem a empatia como eixo central para transformar o ser humano. Sempre buscou levar a psicologia para mais pessoas e dessa forma criar um mundo mais saudável e acolhedor.

Agendar consulta